top of page
  • Foto do escritordarci campioti

Animação de Natal que vale muito a pena: Klaus


Em 2017, a Netflix adquiriu os direitos de Klaus, animação de Sergio Pablos, cocriador de Meu Malvado Favorito, que reconta a história de origem do Papai Noel como nós conhecemos.


A trama é bem simples: Jesper (Jason Schwartzman no original e Rodrigo Santoro em português) é um aprendiz de carteiro mimado e preguiçoso que se recusa a sair de sua zona de conforto. Seu pai, o presidente dos correios, dá-lhe um ultimato: ou ele vai para Smeeresnburg, cidade nórdica praticamente esquecida do mundo e faz o envio de seis mil cartas no prazo de um ano, ou perderá seu direito na herança. Ao chegar ao local, o jovem toma conhecimento de que o lugar vive em um eterno conflito. Os clãs Krum e Ellingboes se enfrentam diariamente em uma briga centenária que varreu tudo que havia de bom na ilha.


No início, Smeerensburg tem um ar depressivo. Tudo é visualmente bem feito, das luzes à textura. A evolução da cidade, que deixa de parecer morta e vai ganhando tons alegres conforme a missão da dupla se desenvolve, é um dos pontos fortes do longa. É divertido ver como tomam forma todas as partes da lenda que conhecemos sobre o Papai Noel. O trenó, as renas, a roupa vermelha característica; tudo está ali bem amarradinho. Assim como a adorável Margú e as outras crianças em tela, não tem como não abrir um sorriso no rosto ao ver as desventuras dos protagonistas.


O personagem-título, um construtor fortão, mais parece um membro da Liga da Justiça do que a imagem do bom velhinho que estamos acostumados a ver, mas é igualmente carinhoso.







12 visualizações0 comentário

Comments


ícone de um telefone
ícone de um telefone
chave de boca cruzadas
ícone de um telefone
chave de boca cruzadas
chave de boca cruzadas
bottom of page